7 de julho de 2017

Florianópolis vai ganhar rota acessível entre o Ticen e o Terminal Rodoviário Rita Maria

A previsão é que a obra de revitalização de calçadas e rampas comece em agosto e seja concluída em novembro

A Prefeitura de Florianópolis lançou edital para a contratação da empresa que deve fazer a obra do programa Rotas Acessíveis – qualificação das calçadas entre o Terminal Rodoviário Rita Maria e o Ticen (Terminal de Integração do Centro). Conforme a arquiteta responsável pelo projeto, Ingrid Etges Zandomeneco, do Ipuf (Instituto de Planejamento Urbano de Florianópolis), será feito alargamento das calçadas, repavimentação, adequação das rampas nas travessias de pedestres e sinalização tátil e visual de piso.

“O projeto foi montado pensando na garantia de acessibilidade nos passeios, pois é necessário um amplo e integrado planejamento de rotas acessíveis, considerando o trajeto das pessoas, as normas técnicas pertinentes, as características geográficas e o traçado urbano do município”, diz.

Mesmo com cadeira motorizada, Juscelino sofre com os buracos nas calçadas e as rampas “que são verdadeiros degraus” - Marco Santiago/ND
Mesmo com cadeira motorizada, Juscelino sofre com os buracos nas calçadas e as rampas “que são verdadeiros degraus” – Marco Santiago/ND

O programa faz parte da iniciativa Floripa Inclusiva, lançada em maio com diversas ações para PCDs (pessoas com deficiência). Conforme o secretário de Infraestrutura da Capital, Roberto Garcia, nesta primeira etapa devem ser investidos R$ 125 mil, com previsão de início em agosto e conclusão em novembro deste ano.

Conforme Garcia, o trecho escolhido como ponto de partida foi por sugestão de alguns representantes de entidades e associações de pessoas com deficiência. “Trata-se de um trecho com intenso fluxo de pedestres, com chegada e saída de muitos turistas que visitam a Capital por ônibus, conectando com o sistema de transporte coletivo. Estamos planejando outra rota para a região central, em pontos como o Mercado Público, edifícios públicos…”, destacou.

De cadeira de rodas motorizada, com menos dificuldades de quem utiliza uma cadeira manual, o aposentado Juscelino Luiz, 45 anos, morador de São José, vai ao Centro de Florianópolis pelo menos quatro vezes por semana, e diz que cada trajeto que precisa fazer é uma missão.

“Utilizo o transporte coletivo. Ao sair do Ticen tenho grande dificuldade, mesmo com a cadeira motorizada. As rampas que deveriam servir de acessibilidade são verdadeiros degraus”, conta. “As pessoas que estão à frente dos órgãos públicos deveriam sentar numa cadeira de rodas e tentar se locomover pela cidade. Não adianta uma rampa ser acessível, se na próxima quadra não é. Faltam iluminação e calçadas em bom estado”, completa.

Floripa Inclusiva

Além do Rotas Acessíveis, o Floripa Inclusiva também atua com iniciativas como Espaço Inclusivo e Porta a Porta. O Espaço Inclusivo, que funciona junto ao Mercado Público, é o primeiro local de oportunidades de emprego para PCDs do Estado. Lá são realizados mutirões inclusivos, em que empresas disponibilizam vagas de emprego voltadas para PCDs.

O primeiro mutirão foi realizado no final de abril, no qual mais de 100 pessoas foram encaminhadas para oportunidades de emprego. O próximo mutirão ainda não tem data definida.

Já o Porta a Porta é um programa de transporte gratuito, que busca o cadeirante que mora em locais de difíceis acessos e o leva ao seu destino, relacionado à saúde, educação ou trabalho. Segundo a Aflodef (Associação Florianopolitana de Deficientes Físicos), 15% da população de Florianópolis têm alguma limitação de locomoção e grande parte dessas pessoas mora em comunidades carentes, normalmente com ruas de complexa passagem. A meta é que sejam atendidas 80 pessoas por meio de agendamento com a disponibilidade de dez carros adaptados.

Florianópolis vai ganhar rota acessível entre o Ticen e o Terminal Rodoviário Rita Maria

voltar